CARF: Empresa que perdeu por voto de qualidade reverte decisão na Justiça

Empresas demonstram interesse em créditos da CBS com terceirização
31 de julho de 2020
TRF3 mantém IRRF sobre remessas ao exterior
31 de julho de 2020

CARF: Empresa que perdeu por voto de qualidade reverte decisão na Justiça

A juíza Carla Dumont Oliveira de Carvalho, ao deferiu pedido de tutela em favor de um banco para aplicação retroativa do desempate a favor do contribuinte, entendeu que, constatado o empate no julgamento do recurso administrativo que confirmou a existência do débito discutido, impende reconhecer a necessidade de revisão do ato, nos termos do artigo 19-E da Lei 10.522/02, a fim de que não lhe seja aplicado o voto de qualidade, mantendo-se assim o entendimento favorável ao contribuinte.

Ela analisou uma ação em que o banco pediu a suspensão da exigibilidade do débito e que as autoridades fazendárias se abstenham de adotar sanções fiscais e/ou medidas coercitivas relacionadas à execução do débito questionado.

Nos autos do processo administrativo, destinado à verificação de eventual recolhimento a menor a título de Cofins nos anos de 2010 e 2011, apurou-se um débito em desfavor do contribuinte no valor atualizado de R$ 33 milhões.

Por sua vez, o banco alegou que faz jus à aplicação retroativa do artigo 19-E da Lei 10.522/2002, incluído pela Lei 13.988/2020, tendo em vista que tal dispositivo extinguiu o voto de qualidade no caso de empate no julgamento do recurso administrativo, devendo prevalecer o entendimento favorável ao contribuinte.

Ao julgar o caso, a juíza afirmou que a abrangência do novo dispositivo alcança os julgamentos administrativos ocorridos antes de sua edição, como ocorre no caso dos autos, tratando-se de hipótese em que se autoriza a retroação da lei tributária, na forma do artigo 106 do CTN.

Na analise do tributarista Breno Dias de Paula,  “a decisão é justa e legal. Sempre defendíamos que a melhor interpretação ao caso do voto de qualidade era o artigo 112 do CTN, ou seja, em caso de empate deveria prevalecer o entendimento favorável ao contribuinte. A nova legislação, interpretativa, veio regulamentar a matéria, que deve ser retroativa, nos termos do artigo 106 do CTN”, resume. (Com informações da Revista Consultor Jurídico)

Clique aqui para ler a decisão
1024238-49.2020.4.01.3800

Tributario.com.br