Minha Casa Minha Vida: STJ julga data final de benefício fiscal para construtoras

Inconstitucionalidade do Funrural após 2001 está por um voto no Supremo
18 de junho de 2021
Principais aspectos do Marco Legal das Startups
24 de junho de 2021

Minha Casa Minha Vida: STJ julga data final de benefício fiscal para construtoras

Nesta terça-feira(15), a 1ª Turma do STJ começou a definir como deve ser interpretada a data final apontada pela Lei 12.2024/2009 para as construtoras contratadas no âmbito do programa Minha Casa Minha Vida gozarem de benefício fiscal.

No caso, o artigo 2º da lei determina que as construtoras que fecharam contrato para construir unidades habitacionais de até R$ 100 mil ficam autorizadas a efetuar o pagamento unificado de tributos equivalente a 1% da receita mensal auferida pelo contrato de construção.

A data final para do beneficio, inicialmente, é até 31 de dezembro de 2013, mas estendida seguidas vezes via medidas provisórias. A derradeira prorrogação colocou como termo final 31 de dezembro de 2018.

A lei ainda permite que construtoras vinculadas ao programa paguem IRPJ, CSLL, PIS e Cofins dentro do Regime Especial de Tributação (RET).

A Fazenda Pública entende que  a data fixada em lei determina o fim do gozo do benefício em relação ao efetivo recebimento das receitas mensais em decorrência do contrato de construção.

Enquanto que para o contribuinte, empresas que fecharam contratos nos termos da lei até 31 de dezembro de 2018 podem continuar usufruindo do benefício enquanto o contrato durar, mesmo que depois do prazo explicitado.

Nos STJ, O acórdão atacado foi julgado pelo TRF-5, que deu razão à tese defendida pelo contribuinte: apontou que a data de que trata a lei data se refere ao período da contratação e não do término da execução do objeto contratado.

Segundo o relator, ministro Benedito Gonçalves votou por negar provimento ao recurso da Fazenda. Entendeu que as condições para gozo do benefício são cumulativas: é preciso haver contrato, firmado com empresa construtora até 31 de dezembro de 2018 e para imóveis de até R$ 100 mil.

“Desse modo, o contrato é condição objetiva para o gozo de benefício fiscal, o qual será usufruído pelo contribuinte durante a vigência ou a sobrevivência do contrato”, disse. “Enquanto o contrato não se exaurir, o benefício fiscal não estará exaurido”, acrescentou.

O julgamento foi suspenso pelo pedido de vista do ministro Gurgel de Faria.(Com informações da Revista Consultor Jurídico)

REsp 1.878.680

Tributario.com.br