Auditores fiscais defendem proposta de Reforma Tributária Solidária

Reforma tributária em pauta
19 de outubro de 2018
Liminar concede direito à espontaneidade da denúncia após fim do prazo de auditoria fiscal
19 de outubro de 2018

Auditores fiscais defendem proposta de Reforma Tributária Solidária

Representantes das duas instituições que reúnem os auditores fiscais federais e estaduais – a Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal (Anfip) e a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) – apresentaram nesta quarta-feira (17), em evento na Câmara dos Deputados, a proposta de Reforma Tributária Solidária.

O objetivo da reforma é conseguir uma arrecadação maior por meio da diminuição dos tributos indiretos, que incidem sobre o consumo e serviços, e aumento nos tributos diretos, que incidem sobre renda e patrimônio.

Presidente da Anfip, Floriano Martins de Sá Neto explica como funciona a tributação do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

“No Brasil, um princípio constitucional fala que tem que haver a progressividade dos impostos, mas o IRPF é regressivo: a partir de 40 salários mínimos, ou R$ 40 mil, o cidadão começa a pagar menos do que aquele que recebe R$ 5 mil. A alíquota máxima é de 27,5%, mas a carga efetiva das pessoas que têm alta renda é (acima de R$ 320 mil), em média, 6%.”

Assim como a proposta de reforma tributária que está em discussão na Câmara, a Reforma Tributária Solidária também propõe a diminuição do número de tributos e a criação de um imposto único sobre bens e serviços, chamado de Imposto sobre Valor Agregado (IVA).

A diferença básica entre as duas propostas é enfrentar a regressividade dos impostos, segundo Charles Alcântara, presidente da Fenafisco. Ele destaca o segundo ponto principal da reforma solidária:

“Defender, proteger o Estado social. O tributo tem que ser utilizado, aplicado preponderantemente para o bem-estar, o bem comum: a saúde, a educação, a segurança. É pra isso que serve o tributo”, diz.

A Reforma Tributária Solidária propõe, ainda, a volta da tributação sobre lucros e dividendos e a criação do Imposto sobre Grandes Fortunas.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) é favorável à proposta:

“A proposta merece toda a atenção do Parlamento brasileiro, merece a criação de uma frente parlamentar para debater e pautá-la pelo bem fiscal do país. Porque, sem a solução fiscal, nós não teremos efetiva garantia de financiamento, de orçamento que tenha braços abertos para a questão social, para o fomento, para o desenvolvimento da educação, da pesquisa, da inovação em nosso país.”

A Anfip e a Fenafisco já solicitaram formalmente audiência com os dois candidatos que estão disputando o segundo turno das eleições para a Presidência da República. No entanto, ainda não conseguiram confirmar o encontro com os candidatos.

Agência Câmara Notícias