Contribuição previdenciária não incide no cálculo de honorários

Câmara aprova acordo entre Brasil e Suíça que facilita troca de dados tributários
22 de setembro de 2017
Camex reduz Imposto de Importação de fios de viscose por desabastecimento
22 de setembro de 2017

Contribuição previdenciária não incide no cálculo de honorários

O valor da condenação em processo judicial é calculado sem a dedução dos descontos fiscais e previdenciários. Por esse motivo, a contribuição previdenciária devida pelo empregado que litiga contra órgão público não deve ser levada em conta no cálculo dos honorários advocatícios. Esse foi o entendimento do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, para manter acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que afastou a retenção dos honorários em valor inferior ao pactuado entre o advogado e seu cliente.

No caso concreto, a Fundação Nacional de Saúde perdeu o litígio contra um servidor que reclamava valores não pagos pelo órgão público. Segundo a decisão monocrática do ministro, os honorários advocatícios contratuais devem ser calculados a partir do total a ser recebido pelo credor, ou seja, o valor integral do precatório.

A Funasa foi ao STJ porque queria manter a decisão do juízo da execução da condenação. O magistrado determinou a apuração do valor dos honorários contratuais sobre o valor líquido que a Funasa devia ao servidor, descontado primeiro a contribuição para o plano de seguridade social. Para Gonçalves, houve violação ao Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil no caso.

Segundo o acórdão do tribunal de origem negando o pedido da Funasa, os honorários advocatícios contratuais são ajustados entre as partes no momento que antecede a propositura da ação. No caso, de comum acordo, foi acordado que a verba honorária seria calculada sobre o valor bruto resultante na ação.

“Não há que se falar em dedução da contribuição previdenciária da base de cálculo dos honorários advocatícios. Entendimento em sentido contrário ensejaria conceber que o advogado também é devedor da contribuição previdenciária, o que é inadmissível”, disse o TRF-4.

Acesse a decisão na íntegra aqui.
REsp 1.403.203

Revista Consultor Jurídico