Nova estratégia: PGE-SP desistirá de 683 mil execuções fiscais de até R$ 30 mil

STJ: Primeira Turma confirma que isenção de IR sobre lucro na venda de imóvel vale para quitação de financiamento
20 de abril de 2018
Fazenda ganha mais poder com vetos derrubados na lei do Refis do Funrural
20 de abril de 2018

Nova estratégia: PGE-SP desistirá de 683 mil execuções fiscais de até R$ 30 mil

A Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo anunciou que desistirá de 683,4 mil execuções fiscais — que, somadas, representam R$ 5,9 bilhões. Como esses casos cobram dívidas de até R$ 30,8 mil, o órgão considera que não compensa o custo das ações judiciais.

Além do custo, a PGE afirma que a medida permitirá que os procuradores se concentrem nos casos de maiores valores e complexidade. O governo estadual tem hoje 1,32 milhões de ações de cobrança que, somadas, chegam a R$ 300 bilhões.

A desistência da via judicial, no entanto, não significa perdão da dívida. Os valores serão cobrados pela via administrativa, por meio de protesto e com auxílio de outras medidas.

De acordo com o levantamento Justiça em Números, as execuções fiscais são o maior problema para a administração judiciária e para dar efetividade à Justiça.

Na edição de 2017, o levantamento mostrou que as execuções são metade dos processos pendentes de decisão no Judiciário inteiro, e dois terços desse montante são execuções fiscais. Isso transforma o Estado no maior litigante do país, mas também no maior credor, às custas do Poder Judiciário.

Revista Consultor Jurídico