TRF1 ratifica entendimento que atividade básica da empresa vincula registro a conselho profissional e nega execução fiscal

ISS. Exame do subitem 14.06 da lista de serviços
24 de novembro de 2017
Revolta com voto de qualidade no Carf pode incentivar corrida ao Judiciário
24 de novembro de 2017

TRF1 ratifica entendimento que atividade básica da empresa vincula registro a conselho profissional e nega execução fiscal

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), por unanimidade, negou provimento à apelação do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Rondônia (CRF/RO), contra a sentença que extinguiu a ação de execução fiscal proposta contra o município do Vale do Paraíso (RO), por manter um dispensário de medicamentos sem a contratação de farmacêutico responsável. O conselho profissional apelou ao TRF1 porque tinha constituído Certidão da Dívida Ativa contra o município e a decisão em primeiro grau extinguiu a execução fiscal com o fundamento de ausência de pressupostos processuais.

O CRF/RO argumentou que, apesar da decisão de primeira instancia, a Certidão da Dívida Ativa era regular. No entanto, o relator, desembargador federal Hercules Fajoses, apontou que, de acordo com a legislação vigente e com precedentes da 7ª Turma do TRF1, “as empresas estão obrigadas ao registro em decorrência da atividade básica exercida ou em relação àquela pela qual prestem serviços a terceiros”.

O magistrado apontou ainda outras decisões do TRF1 no mesmo sentido e argumentou que o dispensário de medicamentos de Vale do Paraíso não é drogaria ou farmácia, o que afasta a obrigatoriedade do registro em Conselho de Farmácia. “A manutenção de simples dispensário de medicamentos não exige a contratação de profissional da farmácia”, completou.

Processo nº: 0012247-37.2016.4.01.9199/RO
Data da decisão: 03/10/2017

TRF1